Farol de Abrolhos

 

O Farol de Abrolhos foi instalado em 1861, no ponto mais alto da Ilha Santa Bárbara.

Em março de 1855, em sua Fala à Assembleia, o Presidente da Província da Bahia alertava para a necessidade de um farol de primeira classe, em Abrolhos "...não só para a nossa navegação de cabotagem, como também para a de longo curso nacional e estrangeira...". Na época, já estava em construção o Farol de Morro de São Paulo e a Bahia navegava em sua prosperidade com grande indústria pesqueira.

Em janeiro de 1860, o Ministério da Marinha reportou ao Ministério de Estrangeiros a existência, há tempos, de navios norte-americanos empregados na pesca da baleia, na região de Abrolhos. A Marinha também informou que iria expedir ordens para a construção de um farol em uma das ilhas de Abrolhos. Em fevereiro do mesmo ano, a Marinha enviou uma proposta para a empresa Miers, Irmãos & Maylor com especificações para a instalação de um farol na Ilha de Santa Bárbara dos Abrolhos. Em 20 de abril, o Ministro da Marinha Francisco Xavier Paes Barreto aprovou o contrato com aquela empresa para a encomenda e instalação do farol. O coronel do corpo de engenheiros Ricardo José Gomes Jardim foi nomeado para designar o local de instalação (Boletins do Expediente do Governo).

Em fevereiro de 1861, o Ministro da Marinha determinou que a canhoneira Iguatemy auxiliasse o serviço de colocação do farol de Abrolhos. Em março, providenciou-se a inspeção do farol pelo engenheiro naval Carlos Braconnot. Em abril, o Farol já estava instalado e Bartolo Antonio Monteiro era o indicado para servir de encarregado do Farol de Abrolhos. Previu-se o serviços de quatro faroleiros, o que foi registrado em fevereiro do ano seguinte.

No dia 7 de maio de 1861, o Farol de Abrolhos foi entregue para operação ao encarregado Bartolo Antonio Monteiro. Tornou-se o terceiro farol da Bahia, reduzindo bastante o número de acidentes na região, mas não evitando todos, por exemplo, em 1932, o vapor grego Arthemis, com destino a Buenos Aires, bateu numa rocha e submergiu perto de Abrolhos, felizmente seus tripulantes foram salvos.

O Farol da Barra, o primeiro da América, foi instalado em 1698. O Farol do Morro de São Paulo foi concluído em 1855. Em 1873, foi instalado o Farol de Itapuã.

As listras pretas foram pintadas antes de 1915 e provavelmente depois de 1911, como mostram fotografias antigas.

A Ilha Santa Bárbara tornou-se um importante ponto avançado de defesa do litoral brasileiro. Após a inauguração do Farol, a Ilha passou a receber destacamentos regulares de aprendizes marinheiros. Posteriormente, formou-se uma guarnição da Marinha no local.

O Farol foi fabricado pela empresa francesa Barbier, Bénard & Turenne e edificado pela empresa Miers, Irmãos & Maylor. No século 19, seu lampejo de luz branca, a cada 30 segundos, com três grupos de três lâmpadas, tinha alcance de 17 milhas. Em torno da base do Farol, foi construído o alojamento dos faroleiros. As atuais casas de alvenaria, junto ao Farol, são de meados do século 20.

Em 1898, foi instalado um novo aparelho lenticular no Farol, de alcance para 51 milhas. Em 1926, já funcionava como estação radiotelegráfica, emitindo boletins meteorológicos de 4 em 4 horas. Em 1960, recebeu um sistema elétrico, por gerador à diesel, e passou a trabalhar com lâmpada halogena. Tem altura focal de 22 metros (60 metros de altitude) e pode ser visto do continente. Sua torre cilíndrica de ferro fundido, sobre rocha, tem 13,8 metros.

É atualmente classificado como radiofarol, pois, além do lampejo luminoso, a Marinha mantém estações transmissoras, no local, para auxílio à navegação, que permitem determinar, por exemplo, a posição no mar, pelo método DGPS.

 

Farol Santa Barbara
Farol Abrolhos

 

Copyright © Guia Geográfico - Patrimônio histórico, faróis da Bahia.

 

 

Abrolhos

 

Foto antiga

 

 

Farol Itapua

 

Abrolhos Bahia

 

Farol de Abrolhos em 1911

 

Mapa imagem

 

 

 

Bahia Turismo

 

 

 

Farol de Abrolhos

 

 

Farol de Abrolhos

 

 

 

Por Jonildo Bacelar

 

 

 

 

Cores do Brasil

 

 

João Ramos

 

Manu Dias